sábado, 11 de julho de 2015

Reinaldo Azevedo Não Se Sente Representado Por Francisco. Graças a Deus!


Não leio a Revista Veja. O que é colocado nessa revista nunca me interessou. Seus repórteres não detêm de confiabilidade para com a sociedade e sua informação jornalística é sempre muito tendenciosa. Além dos seus repórteres, existem aqueles donos da verdade, como por exemplo, seus articulistas, que proferem mentiras e tentam formar na sociedade um estado de caos. Para mim, a verdade é algo primordial em qualquer meio de comunicação. Se o jornal agiu de maneira desrespeitosa, simplesmente não leio mais, pode ser de esquerda, direita, centro, de cima ou de baixo.

Nessa tarde fui surpreendido por um artigo dessa Revista. Com o título Bergoglio, o dito Papa Francisco, Não Me Representa, Reinaldo Azevedo me encheu de alegrias. Fiquei aliviado em saber que o Papa Francisco não representa um império construído na base de mentiras e opressão do povo brasileiro. Estou aliviado em saber que o Papa Francisco não representa o Reinaldo Azevedo, pois como poderia representar alguém que mente de forma contínua e oportunista. Ainda bem que o Papa Francisco não representa alguém que é contrário às lutas dos negros, pobres, gays e lésbicas desse país. Que acusa de vagabundo quem recebe o Bolsa Família, que menospreza um região do país, sentindo-se superior. Certamente, O Papa Francisco não representa um ser humano que deseja colocar adolescentes na cadeia e é a favor do linchamento de suspeitos em praça pública. 

Usando uma expressão evangelística, espero que o Reinaldo Azevedo conheça o poder salvador do perdão encontrado em Jesus Cristo e a sua força profética de denúncia do mal. Somente dessa maneira poderá compreender as ações de Francisco. Se não, corre o risco de permanecer como alguém que frustrado em suas próprias teorias, tenta de todas as maneiras culpabilizar outros por suas fraquezas e medos. Afinal, arrogância é apenas  demonstração de covardia.

Sobre os regimes que sob a égide de uma teoria comunista mataram mais de 120 milhões de pessoas, percebe-se o despreparo e o desconhecimento do articulista sobre essa causa. Certamente ele faltou às aulas de introdução a filosofia e história moderna. Se tivesse assistido as essas aulas ou se preocupado em ler um pouco, saberia que antes da Primeira Guerra Mundial, Rosa Luxemburgo e demais marxistas eram contrários a qualquer tipo de guerra e tentaram evitá-la ao máximo, pois a idéia básica era promover a solidariedade internacional entre as classes operárias ante os nacionalistas militares. Rosa e os políticos do partido Socialista Alemão foram às únicas vozes oposicionistas no Império Alemão contra a catástrofe humana que foi a Primeira Guerra Mundial. Seu antimilitarismo não foi tolerado pelo partido, que os expulsam.

Sobre a Rússia, o programa da Revolução, construído por Lenin, consistia no fim imediato da guerra, reforma agrária e todo poder aos soviets (trabalhadores).  Isso significava abolir o exército, a polícia e a burocracia, estabelecendo a igualdade salarial entre um operário e um funcionário público, a fim de abolir a hierarquia entre estado e sociedade, instaurando relações políticas horizontais entre os trabalhadores. Depois da morte de Lenin, Stalin supera Trótsky (que mantinha idéias parecidas com as de Lenin) na liderança do partido. Stalin não tinha o mesmo comprometimento com a classe operária e a realização da liberdade em um plano internacional, iniciando em 1928 um expurgo de todas as lideranças bolcheviques originais, por meio de expulsões, exílios, prisões e assassinatos. O programa levado a cabo por Stálin nada tem a ver com o programa comunista de Lenin. Essa é parte da historia que o Reinaldo esqueceu de dizer.

Fiz essas duas observações históricas antigas para mostrar que o articulista ou desconhece de história ou simplesmente está usando de má fé quando se refere ao comunismo e ao papa Francisco. Enfim, se o Reinaldo Azevedo não se sente representado por Francisco só temos algo a dizer: Graças a Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como Lutar Pela Democracia?

Nos dias que antecederiam o afastamento da Presidenta Dilma Roussef de suas funções no Governo Federal, recordo que fomos até a Avenida...