quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

O Assassinato Do Pr. Darckson Lira e as Posições Evangélicas de Ódio


Lamento o assassinato do Pr. Darckson Lira, fruto da violência constante em nossa sociedade. Oro a Deus para que derrame o consolo necessário sobre os seus familiares e amigos. Afirmo, acima de tudo, que ninguém tem o direito de retirar a vida de alguém, seja em quais condições forem.

Também lamento a posição compartilhada por diversas pessoas, trazendo críticas aos direitos humanos, baseando-se em ideias infundadas e em um desejo de vingança terrível. Não farei comentários sobre as investigações que estão sendo conduzidas pela polícia e que apurarão os fatos com a devida clareza. Entretanto, creio que aqueles que fazem parte dessas instituições religiosas devem procurar serem mais verdadeiros e sérios em suas posições. 

Buscar de todas as maneiras ofender aqueles que trabalham diariamente pela causa da justiça e em busca da dignidade do ser humano não é solução para os problemas da violência em nossa cidade. Os grupos de direitos humanos têm a cada dia denunciado a violência constante e o desrespeito a qualquer pessoa, principalmente aqueles que estão em maior vulnerabilidade social. Se posicionado firmemente para que todos tenham direito de expressar sua opinião, exercer sua fé com liberdade, rompendo as barreiras do racismo e da intolerância. Erra quem acha que os direitos humanos é algo destinado a defender criminosos. Provando seu desconhecimento do tema e o seu descompromisso com a paz.

Também, é extremamente vergonhoso que homens e mulheres que se dizem pastores ou mesmos cristãos, se enveredem pelo caminho da crítica infundada a um dos temas mais constantes nos evangelhos de Jesus Cristo: A dignidade do ser humano. É extremamente incoerente que pessoas desse tipo falem da Boa Notícia, quando as suas línguas estão cheias de mentira e ódio. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Como Lutar Pela Democracia?

Nos dias que antecederiam o afastamento da Presidenta Dilma Roussef de suas funções no Governo Federal, recordo que fomos até a Avenida...